Advogado Criminalista Não Pode Ter Teto de Vidro - Wagner Brasil - Advocacia Especializada

Se gostar desse artigo, siga este canal e minhas redes sociais para ter acesso a mais conteúdos sobre Direito Penal e Direito Eleitoral.

Facebook: https://www.facebook.com/wagnerbrasil.adv

Instagram: https://www.instagram.com/wagnerbrasil.adv

Linkedin: https://www.linkedin.com/in/wagner-brasil-1459581bb/

JusBrasil: https://wagnerbrasiladv.jusbrasil.com.br/


Justiça e probidade devem andar de mãos dadas. Integridade deve ser o princípio corolário de todos aqueles que participam da relação processual, seja advogado, seja promotor, seja magistrado.

Particularmente, gosto bastante de destacar os direitos assegurados aos advogados no ordenamento jurídico. Sempre ressalto que a Constituição Federal assevera que o advogado é indispensável à administração da justiça. E de fato é.

No artigo de hoje vou mudar o foco. Trarei aqui um dever de todo advogado: manter uma conduta ilibada durante toda a sua trajetória profissional. Desta feita, serão abordados breves apontamentos sobre o seguinte tema: advogado criminalista não pode ter teto de vidro.

É evidente que a militância na seara penal é diferente de qualquer outra área. Não considero que seja mais importante. De jeito maneira. Acredito que todas as áreas têm os seus valores para a sociedade.

Inobstante, o labor na área criminal deve ser precedido de alguns cuidados. Logo, faço um alerta: se você tem teto de vidro, a advocacia criminal não é para você. Procure outra área.

Os advogados, sobretudo os criminalistas, são insuportáveis. O Estado não nos aceita. No máximo, somos tolerados, em razão da nossa importância constitucional. Mas por que tanto ranço? Porque lutamos pelos direitos da escória da sociedade, daqueles que estão no último degrau da cadeia alimentar. E isso incomoda. Onde já se viu defender bandidos!

Significaria grande ingenuidade imaginar que, ao aportar um substabelecimento ou juntar uma nova procuração nos autos, a vida inteira do advogado não seria investigada. O aparelhamento estatal, liderado pelo Ministério Público, muitas vezes, deixa de focar no fato ocorrido para focar nas pessoas. Prova da ocorrência do crime se torna subsidiária. O mais importante é atacar o oponente, achar suas fraquezas, tornar público suas imundícias.

Assim sendo, se você usa qualquer tipo de drogas, na advocacia criminal vai aparecer; se você tem envolvimento com rede de pedofilia, vai aparecer; se você gosta de jogo de azar, vai aparecer. Qualquer coisa que você já fez ou vai fazer de ilegal ou de imoral, durante o exercício da advocacia criminal, vai aparecer. E toda essa perseguição pessoal se agrava quando você participa cotidianamente de grandes operações, especialmente aquelas notórias, de cunho nacional.

Enfim, o advogado, desde o princípio, necessita ser probo, honesto, cristalino, transparente, translúcido.  O sujeito precisa ser um livro aberto. O Estado precisa olhar para a defesa e enxergar o outro lado. Do contrário, será apedrejado e não haverá resistência. O teto de vidro quebrará.

Wagner Brasil
Advogado Criminalista e Eleitoral
OAB/SP 366218
(14) 98184-8765

Deixe seu Comentário